* Entrar   * Registrar


Sua última visita foi em:
Hoje é 23 Out 2019, 15:31





Criar novo tópico Responder Tópico  [ 1 Mensagem ] 
Autor Mensagem
 Assunto do Tópico: REGULAMENTO COPA TTC 2009
MensagemEnviado: 18 Mar 2009, 17:23 
Offline

Data de registro: 18 Mar 2009, 16:58
Mensagens: 7
---------
Para melhor visualização faça o ******** do Regulamento.


Copa TTC 2009
REGULAMENTO

OBJETIVO
1. Este Regulamento destina-se a Provas de Enduro de Regularidade. O presente Regulamento é válido para todas as etapas da copa TTC do ano de 2009.
DEFINIÇÃO, ORGANIZAÇÃO, PROMOÇÃO E SUPERVISÃO
2. O TTC realizara no ano de 2009 8 etapas que formará a Copa TTC.
REGULAMENTO COMPLEMENTAR
3. O Regulamento Complementar será confeccionado pela Direção de cada etapa e deve ser submetido a aprovação da comissão de regulamento. Não pode conter normas que firam o Regulamento Geral do Campeonato.
Deve conter OBRIGATORIAMENTE:
3.1. Período, local e valor das inscrições;
3.2. Data, hora e local do sorteio e entrega da planilha;
3.3. Data, hora e local da largada (promocional e oficial), vistoria, chegada e divulgação do resultado;
3.4. Nome dos responsáveis pela Direção e Organização da Prova;
3.5. Penalizações complementares, se necessárias, por problemas de segurança;
3.6. Membros do Júri de Prova, composto por;
03 ou 05 Membros da organização do enduro, que formará o júri de prova.
(ficando a critério a quantidade em cada prova, tendo que ser 03 ou 05)
É desejável que contenha:
3.7. Informações a respeito de trechos específicos, testes especiais, etc;
3.8. Informações sobre aferição da quilometragem;
3.9. Informar o nome do membro da organização que irá participar do JP (Júri de Prova);
3.10. Local e hora (do primeiro concorrente), de abastecimento e neutro de almoço;
PROVAS
4. Serão válidas pela Copa TTC, sendo realizadas no dentro do Estado do Piaui.
4.1. Para serem consideradas válidas para cada uma das categorias na Copa TTC as etapas indicadas deverão ***prir o que segue, para cada categoria:
4.2. Obedecer a este Regulamento.
4.3. Não poderá haver anulação, por motivos técnicos ou outros de mais do que 25% (vinte e cinco por cento) dos PC's ativados.
4.4. Por PC ativado, entende-se aquele em que tenha sido anotada a passagem de pelo menos um concorrente.
4.5. A apuração do resultado de cada etapa deverá ser,de acordo com cada etapa não ficando imposto qualquer tipo de equipamento, sendo que todas serão eletrônicas.
4.6. Imprimir à partir do programa de apuração a lista das horas de passagem nos PC´s indicando quais registros estão inalterados e quais registros foram alterados durante o processo de apuração, permitindo assim auditoria já que é possível confrontar esta lista impressa pelo programa de apuração com as lista impressas diretamente da memória do coletor de dados
4.7. Os PCs serão colocados dentro de um envelope, contendo localização na planilha e waypoint, e assinados pela direção de prova e no mínimo mais 03 pilotos de escolha aleatória ou por presença, ficando o envelope a ser aberto no final da prova após horário ideal de chegada do ultimo piloto, e fixada em um mural no local de entrega de resultado.
4.8. O número de etapas mínimas para validação da Copa TTC será de 05 etapas.
4.9. A prova poderá ser realizada em vários dias, valendo uma etapa para cada dia.
CATEGORIAS
5. Todas as Provas serão disputadas em 5 (cinco) categorias: GRADUADOS, JUNIOR, OVER, NOVATOS, ESTRENTES.
GRADUAÇÃO
Conforme assembléia realizada pela diretoria:
5.1. Os pilotos campeões e vice-campeões, do terceiro ao quinto colocado, no ano imediatamente anterior, das categorias Júnior e Novatos, terão, obrigatoriamente de competir na categoria acima da qual participou, independentemente de idade.
5.2. A categoria OVER será constituída pelos pilotos maiores de 40 anos, completos antes do início do campeonato, esta categoria obedecer o critério idade, não importado se tenha sido campeão nesta categoria ou em outra do campeonato.
INSCRIÇÃO
6. Para pontuar nas Provas:
6.1. Para pontuar na Copa TTC o piloto deverá ser filiado ao clube.
6.2. Os Valores de inscrições será definidos pelos seguintes valores.
R$ 50,00 (categorias- Graduados, Over, Junior) R$ 20,00 (novatos e estreantes)
6.3. Ao assinarem a Ficha de Inscrição, os pilotos eximem o Clube Organizador, os promotores e patrocinadores da Prova de toda e qualquer responsabilidade por dano de qualquer espécie que venha a causar a terceiros e/ou a si próprio, antes, durante e após o desenrolar da competição.
VISTORIA
7. O piloto deverá, caso seja solicitado, apresentar-se com sua motocicleta no local reservado a vistoria, pelo menos 15 (quinze) minutos antes de sua hora ideal de largada., ou conforme estabelecido no Regulamento Complementar.
7.1. Para os pilotos, são obrigatórios os seguintes itens: capacete, óculos ou viseiras, luvas, botas e roupas resistentes.
7.2. No capacete deverá estar escrito, em local visível e de forma legível, o nome do piloto, grupo sangüíneo e fator Rh.
7.3. O chassi da motocicleta poderá ser lacrado na vistoria, para posterior conferência do ***primento do item "c" do art. 24.1.
7.4. Poderá haver postos de vistoria, ao longo do percurso da Prova.
7.5. A direção de prova poderá impedir a largada, ou continuação na prova, de concorrente ou moto que não apresentar-se em conformidade com o que estabelece este Regulamento.
7.6. Haverá PC de tempo ou de roteiro na vistoria, mas somente serão penalizados os concorrentes que se atrasarem, até um limite de 900 (novecentos) pontos que correspondem a mais de 15'05" de atraso, ou conforme previsto no regulamento complementar.
7.7. A Prova inicia-se no horário ideal do primeiro piloto ou na abertura do PC de vistoria da largada (se houver) e encerra-se somente após realizada a vistoria de chegada (entende-se por prova cada etapa)
7.8. O piloto poderá ser examinado clinicamente antes, durante e após a competição, estando sujeito a desclassificação da Prova, caso negue-se ao exame.
7.9. O piloto poderá trocar de moto entre uma etapa e outra. Deve fazer comunicação por escrito ao diretor de prova ou membro da Organização da Prova e proceder a vistoria da nova moto.
ORDEM DE LARGADA
8. A ordem de largada será conhecida através de sorteio público semi-dirigido em data e local definidos no Regulamento Complementar. A ordem do sorteio, obedecerá as colocações no atual campeonato, ou seja, serão sorteados os 5 primeiros colocados (de cada categoria) e a seguir os demais. Esta ordem deverá ser diferenciada entre as etapas. (ou invertendo a ordem de largada ou invertendo grupos de largada ou através de novo sorteio).
8.1. O intervalo de largada entre os concorrentes será definido pela Direção de Prova, não podendo ser inferior a um minuto para a categoria Graduados e não inferior a 30 segundos para as demais categorias.
8.2. Deverão largar na ordem: GRADUADOS, JUNIOR, OVER, NOVATOS, ESTREANTES e outras categorias.
8.3. A largada é de responsabilidade de cada participante, baseado na hora oficial e na lista de largada fornecida pela organização da prova.
8.4. Em principio as largadas serão automáticas. Porém, quando o Regulamento Complementar informar que a Largada é Manual, a organização colocará um PC de LARGADA (roteiro com tempo fixo) visando confirma a passagem do piloto no seu horário ideal de largada. Não largar no horário ideal perde 300 pontos.
PLANILHAS
9. A planilha deverá fornecer: a quilometragem do trecho, a simbologia (indicações do roteiro), a velocidade média horária de cada trecho, o tempo acumulado em cada PMM (Ponto de Mudança de Média) e as observações pertinentes a cada caso, ESPECIALMENTE AS QUE INDIQUEM RISCOS PARA OS PILOTOS.
9.1. Por trecho, entende-se o percurso situado entre dois pontos onde o odômetro deva ser "zerado" e/ou a velocidade média seja alterada.
9.2. Serão fornecidas aos participantes, e somente a estes no início da Prova, com pelo menos 60 (sessenta) minutos de antecedência a sua hora ideal de largada.
9.3. Não poderão ser entregues de forma parcelada na competição.
9.4. Poderão conter médias para tempo seco e para chuva.
9.5. A simbologia deverá ser simples e clara, procurando mostrar apenas o necessário à identificação do roteiro, obrigatoriamente na seqüência Km, desenho referência, valor, tempo, observações.
9.6. Nos símbolos usados, a "bolinha", que identifica a posição do concorrente, estará sempre na posição inferior do diagrama.
9.7. Os ângulos da simbologia deverão representar com a melhor fidelidade possível, os ângulos reais das encruzilhadas e bifurcações.
9.8. Os obstáculos que, por não serem facilmente visíveis, possam representar perigo para os pilotos, devem, OBRIGATORIAMENTE, estar bem assinalados na planilha. Exemplo: arames esticados, cercas, cancelas, valas, galhos, etc.
9.9. A (s) entrada(s), desvios ou bifurcações, de mesmo sentido que situar(em)-se a menos de 50 m antes de alguma entrada, desvio ou bifurcação pertencente ao roteiro (a ser referida na planilha) também deverão constar da planilha, sob pena de cancelamento do PC.
INDICAÇÕES QUILOMÉTRICAS
10. As medidas serão sempre em KM (quilômetros), com subdivisão de 10 em 10 metros .
10.1. As velocidades serão dadas em km/h (quilômetros por hora) e representadas por números inteiros.
10.2. A velocidade média máxima em estradas de terra não poderá ser superior a 66 km/h , e em trechos de asfalto, 69 km/h , devendo-se evitar velocidades médias elevadas.
10.3. É proibido o uso de trajetos que conduzam aos concorrentes percorrerem o mesmo trecho simultaneamente em contramão, a não ser em deslocamentos dentro de cidades ou estradões.
IDENTIFICAÇÃO DO PILOTO
11. Deverá ser feita através do jaleco (ou similar) numerado a ser fornecido pela Organização, e por sua Carteira de Habilitação ou Identidade. O jaleco será facultativo. A Organização da Prova poderá solicitar a devolução do jaleco no final da prova.
11.1. Em caso de ausência ou má visibilidade da numeração oficial que identifica a moto ou o piloto, durante a competição, o concorrente assume o erro de tomada de tempo, ou inexistência do registro de passagem nos Postos de Controle.
11.2. A numeração do Piloto Será fixa durante todo Campeonato, e não podendo ser alterada no decorrer do mesmo.

IDENTIFICAÇÃO DA MOTO
11.3. Será feita através do numero do chassis e por numeração adesiva que deverá ser fornecida pelo Organizador.
11.4. A documentação da moto e do piloto é de única e exclusiva responsabilidade do concorrente ou piloto.
CONSTITUIÇÃO DA PROVA
12. A Prova poderá constituída de trechos de regularidade, neutralizados, deslocamentos e testes especiais.
12.1. Trecho de regularidade é o que tem definida a velocidade média, e na qual ***pre ao piloto manter-se com a melhor precisão possível.
12.2. Neutralizado é um ponto do roteiro, em que é dado um tempo de parada para o piloto.
12.3. Deslocamento é um trecho em que é dado um tempo máximo para ser percorrido. Nele, não há média horária definida, sendo normalmente usado para travessias de locais povoados. Especialmente nestes trechos o piloto deve observar, rigorosamente, as leis de trânsito.
12.4. Em casos de deslocamentos em asfalto ou vias rápidas, deverão seguir as leis de trânsito vigentes no trajetos, com velocidade nunca superiores a 80Km/h.
12.5. Cada etapa do campeonato deverá ter, no mínimo, 2:30 horas de prova ou 80 Km de extensão.
TESTES ESPECIAIS
13. Poderão haver testes especiais de velocidade (TVE) e "Non Stop" (TNS) durante as competições, mas não serão válidos para pontuação no campeonato.
ALTERAÇÕES NO ROTEIRO
14. No caso de algum imprevisto natural, com rio cheio, barreira ou nova estrada, por exemplo, que impossibilite a passagem ou provoque alguma alteração do roteiro, corre por conta dos concorrentes procurar os meios que o conduzam o mais brevemente ao roteiro original. No caso do imprevisto acontecer no meio de uma categoria, os PC's seguintes ate o próximo neutralizado deverão ser cancelados para esta categoria, uma vez que não houve igualdade de condições para todos os pilotos da categoria.
14.1. No caso de impossibilidade de continuação no roteiro, por ação de agentes externos à Prova, não identificados em 16, como proprietários dos caminhos ou autoridades policiais serão anulados os PC's colocados além deste ponto, para as categorias afetadas pelo ocorrido, deverão ser cancelados ate o próximo neutral, salvo se todos os pilotos da categoria entrarem no tempo antes do neutral os PC’s ate o neutral tornam-se validos.
ALTERAÇÕES NA PROVA
15. Em caso de mudança de horários por força maior ou motivos técnicos, o Diretor de Prova e/ou organizador deverá comunicar imediatamente, pelos meios disponíveis, a todos os pilotos inscritos.
15.1. Se por qualquer motivo de força maior, ou de segurança, a Prova não puder ser realizada, os Organizadores, Promotores, Patrocinadores, não serão obrigados a nenhuma indenização, além da devolução das inscrições efetuadas.
APOIO
16. Não será permitido que quaisquer concorrentes sejam acompanhados por outras motos (inscritas na Prova ou não), com a finalidade de lhe prestar apoio físico ou de outra espécie. Tal fato poderá ser comprovado pelos registros de passagem nos PC's, ou pelos fiscais de PC's
16.1. A não observância deste artigo, implica na desclassificação do(s) concorrente(s) faltoso(s).
CRONOMETRAGEM - POSTOS DE CONTROLE
17. A cronometragem será feita com base num horário padrão chamado Hora Oficial de Prova
17.1. A Hora Oficial de Prova deve ser apresentada para o competidor em local visível pelo menos 1 hora antes da largada.
17.2. O Horário oficial de prova deve ser sincronizado com a hora do GPS, permitindo assim que os tempos registrados por GPS sejam dados válidos como argumento de recursos e protestos para casos de passagem ou não nos PC’s.
17.3. Os PC's serão colocados em pontos aleatórios do percurso, de pouca visibilidade a distância e localização conhecida unicamente pela Direção da Prova.
17.4. PC deverá ser sinalizado por uma bandeira amarela, que deverá estar colocada no ponto de marcação da passagem dos concorrentes.
17.5. Os concorrentes, ao avistarem a bandeira amarela, ou o "funil" de chegada no PC (desde que estejam em seu roteiro atual), deverão dirigir-se aos fiscais, em linha reta e sem parar ou apoiar-se em qualquer obstáculo. No "funil", devem parar, se assim o fiscal decidir, e terem seus tempos de passagem registrados, somente prosseguindo após a liberação do fiscal.
17.6. O concorrente terá seu tempo registrado, ao passar no ponto que marca o local do PC.

17.7. O coletor de dados deve ter um mecanismo para que o sincronismo dos relógios de todos coletores seja feito eletronicamente
17.8. Caso haja uma segunda pessoa, esta anotará manualmente apenas o número da moto e a ordem que ela passou no PC. Caso uma moto tenha sido anotada no papel e não conste no coletor de dados, a direção de prova dará o tempo desta moto como sendo o tempo médio entre a moto imediatamente anterior e posterior, a esta, na anotação do coletor de dados eletrônico.
17.9. Os PC's poderão ser de roteiro, ou de roteiro e tempo (mistos).
17.10. PC de roteiro visa apenas confirmar a passagem do concorrente, dentro de um intervalo de tempo definido. Será prioritariamente usado em locais de difícil passagem, sujeitos à congestionamentos e também onde haja possibilidade de se cortar caminho. Poderá ser usado dentro de trecho de deslocamentos e será permitido a anotação manual.
17.11. O concorrente terá que chegar no PC, por caminho pertencente ao roteiro e no sentido do deslocamento da Prova. Caso contrário, perde os pontos relativos ao PC de roteiro.
17.12. PC de roteiro vale 900 (novecentos) pontos fixos. Se o concorrente não passar por ele, ou adiantar-se mais do que 5' (cinco minutos), ou atrasar-se mais do que 20' 05" (vinte minutos e cinco segundos), ou chegar nele por caminho diferente ou de direção oposta ao roteiro, perde 900 (novecentos) pontos. Excetua-se neste caso, o PC de vistoria, que é regulado conforme o item 8.7.
17.13. O PC misto visa conferir a navegação (manutenção da média) e será sempre, também de roteiro. Não há PC exclusivamente de tempo. O PC misto vale até 1.800 (mil e oitocentos) pontos, sendo 900 (novecentos) pelo roteiro e 900 (novecentos) pela manutenção da média horária.
17.14. O concorrente perde 1 (um) ponto por segundo de atraso em relação a sua hora ideal de passagem pelo PC, descontada a tolerância de 5" (cinco segundos). Além deste tempo de atraso e até 20' 05" de atraso, serão imputados 900 (novecentos) pontos fixos. Além de 20' 05" de atraso, ou não passando no PC, o concorrente perde 1.800 (mil e oitocentos) pontos.
17.15. O concorrente perde 3 (três) pontos por segundo de adianto em relação a sua hora ideal de passagem pelo PC, sem margem de tolerância. Além de 5' (cinco minutos) de adiantamento, o piloto perde 1.800 (mil e oitocentos) pontos.
17.16. Resumo, para todas as categorias:
5’ ou + Até 5’ 0” a 5” 6” até 15’ 05” de 15’ 06” a 20’ 05” 20’ 06” ou +
1.800 3 a 900 0 1 a 900 900 1.800
17.17. A tolerância de passagem no PC (Posto de Cronometragem) será de 5” (cinco segundos) por atraso. Para adiantamento na passagem, não existe tolerância.
17.18. O PC poderá ser anulado para uma ou mais categorias.
17.19. Para efeito de contagem de pontos perdidos, no caso de haver mais de uma anotação de passagem, valerá a primeira passagem do concorrente pelo PC.
Cancelamento de PC.
18. Se constatado erro na planilha (pela Organização), somente terá validade o PC localizado após o 3 PMM subseqüente. Entende-se também como PMM os neutralizados técnicos.
18.1. Caso ocorra bloqueio ou fechamento de um trecho da Prova, a Organização terá a faculdade de cancelar total ou parcialmente os PC's do trecho. Este caso se aplica somente a problemas causados pela Organização da Prova, tais como referência errada ou informações inverídicas, ou impedimento pelo proprietário de terrenos, sítios, fazendas, etc.
18.2. O TTC reserva-se o direito de realizar, durante uma ou mais provas deste Campeonato, um ou mais PCs totalmente eletrônico. As regras a serem adotadas nestes PCs, serão estabelecidas em um adendo a este regulamento e devidamente avisado no Regulamento Complementar da prova. (somente com autorização da maioria dos membros da comissão de regulamento, para devida homologação)
18.3. O TTC poderá usar Cronometragem por meio de GPS, ficando estabelecido 1 gps pra cada moto cedido pela organização.
18.4. No caso de cronometragem por GPS será dado um descarte 5% dos PCs validos, retirando os pcs com maior pontuação de cada piloto.
CLASSIFICAÇÃO E PONTUAÇÃO
19. A classificação na Prova, será feita por ordem crescente de pontos perdidos durante a competição. A quem perder o menor número de pontos, cabe o primeiro lugar, e assim sucessivamente.
19.1. A classificação e pontuação do piloto em cada etapa do Campeonato, será exclusivamente por categoria, não havendo classificação ou pontuação pelo geral da Prova.
19.2. Para obter classificação na etapa, o piloto deverá ter passado em pelo menos 50% (cinqüenta por cento) dos PC's ativados, com pontuação inferior a 1800 (mil e oitocentos) pontos. Aos que não obtiverem este desempenho, não será atribuída classificação na Prova ou pontuação para o Campeonato.
19.3. Em caso de empate no total de pontos entre dois ou mais competidores, o critério de desempate na etapa será:
a) Maior número de PC’s com 0 (zero) ponto perdido.
b) Persistindo o empate, deve-se passar para menor pontos nos PC's em ordem inversa, do ultimo ao primeiro e assim sucessivamente.
c) Persistindo o empate, a vitoria será dada ao piloto mais velho.
d) Persista o empate será feito um sorteio público para identificar o vencedor.
19.4. A pontuação a ser atribuída aos pilotos:
1º - 25 pontos 9º - 12 pontos 17º - 04 pontos
2º - 22 pontos 10º - 11 pontos 18º - 03 pontos
3º - 20 pontos 11º - 10 pontos 19º - 02 pontos
4º - 18 pontos 12º - 09 pontos 20º - 01 pontos
5º - 16 pontos 13º - 08 pontos
6º - 15 pontos 14º - 07 pontos
7º - 14 pontos 15º - 06 pontos
8º - 13 pontos 16º - 05 pontos
19.5. Ao final do Campeonato, será proclamado Campeão, o piloto que houver somado o maior número de pontos, em cada categoria.
19.6. Em caso de empate no total de pontos entre dois ou mais competidores de uma categoria, o critério de desempate para definir o Campeão será: • melhor colocação para quem tiver maior número de primeiros lugares. Persistindo o empate, passa-se a considerar o maior número de segundos lugares e assim sucessivamente. Se mesmo assim persistir o empate, terá melhor classificação o piloto que obtiver a melhor colocação nas etapas em ordem inversa.
19.7. O critério de descartes será N-0, isto é, não haverá descarte.
19.8. O Clube organizador, poderá indicar 3 (Tres) pilotos para ajudarem na organização de sua prova. Estes pilotos terão o papel de abrir e fechar cada etapa da prova. A estes pilotos, para efeito de pontuação no campeonato, será computado o seu melhor resultado no ano. Fica limitado em um crédito por piloto, mesmo que este participe da organização de mais de uma etapas.
DEVERES DO PILOTO
20. É dever de todo piloto nas competições:
20.1. Manter o mais alto espírito desportivo para com os demais concorrentes, antes, durante e após a competição.
20.2. Respeitar todas as disposições constantes no presente Regulamento, no Regulamento Complementar e seus adendos, bem como as disposições do Código Brasileiro de Motociclismo e Código Nacional de Trânsito.
DEVERES DA ORGANIZAÇÃO
21. São deveres da organização em cada etapa:
21.1. Fornecer trecho específico para aferição da quilometragem ou confeccionar a planilha sem média no primeiro trecho, (deslocamento), o qual servirá como aferição.
21.2. Pelo menos 15 minutos antes da divulgação dos resultados, afixar os horários de passagem de cada categoria , ou distribuir ficha individual de passagem de cada piloto, possibilitando aos concorrentes, a conferência dos lançamentos dos dados.
21.3. Após a divulgação do resultado de cada categoria, deverá apresentar ficha de desempenho da categoria, onde conste os pontos perdidos de TODOS os pilotos em TODOS os PC's.
21.4. A Organização deve informar , até 60 (sessenta) minutos antes da largada, o critério de médias, tempo seco ou chuva.
21.5. Providenciar a abertura de todas as porteiras, cancelas e afins, pertencentes ao roteiro, evitando assim, que somente o primeiro piloto perca tempo nesta tarefa. Esta tarefa deverá ser feita por membro da Organização, que assume a condição de "piloto zero".
21.6. Sinalizar de forma clara, os caminhos que não possam ser facilmente identificáveis por referências na planilha.
PENALIZAÇÕES
22. Nas Provas, os pilotos poderão ser penalizados pelas seguintes faltas:
a) Agredir com palavras qualquer membro da organização desclassificação
b) manobras desleais contra outros concorrentes desclassificação
c) troca de moto ou piloto durante a Prova desclassificação
d) alteração, supressão ou inclusão de inscritos no jaleco e/ou adesivos oficiais desclassificação
e) ao chegar no PC (sentido correto), tentar de qualquer forma avisar aos outros pilotos, da localização deste desclassificação
f) passar pelo PC (em sentido correto) e retornar em sentido contrário ao da Prova, pelo PC 1.800 pontos
g) chegar no PC por sentido contrário ou por caminho diferente do roteiro 900 pontos + tempo
h) desrespeito às leis de trânsito 300 pontos
i) tumultuar o trabalho do PC com pedidos insistentes e reclamações 300 pontos
j) parar no campo de visão do PC, a qualquer pretexto, mesmo por tombo ou defeito mecânico,
ou ainda, andar em velocidade tão lenta que necessite apoiar o corpo em algum obstáculo, ou colocar o(s) pé(s) no solo anotação imediata do tempo
k) a moto pilotada sem capacete pelo piloto, mecânico ou qualquer pessoa durante a Prova. Entende-se Prova, a abertura do PC de vistoria de largada até o encerramento do PC de chegada 300 pontos
l) o piloto conduzindo qualquer moto sem o uso adequado do capacete durante a prova. Entende-se prova, desde a abertura do PC de vistoria de largada até o encerramento do PC de chegada 300 pontos
PREMIAÇÕES
23. Serão conferidos troféus para no mínimo 5 (cinco) primeiros colocados de cada categoria. A premiação poderá ser fornecida referente ao desempenho das 2 (duas) etapas, ou seja, um troféu pelo somatório da colocação das duas etapas. Se o enduro tiver mais de dois dias, os troféus poderão ser entregues referentes à prova total.
23.1. Em nenhuma hipótese, serão atribuídos prêmios em dinheiro.
RECLAMAÇÕES E PROTESTOS
24. Reclamações contra a Prova ou piloto, deverão ser entregues por escrito à Organização de acordo com os seguintes prazos e devem estar acompanhados de valor igual a 1 (uma) taxa de inscrição da categoria GRADUADOS.
24.1. Protestos ou recursos contra o resultado, deverão ser entregues até 15 (quinze) minutos após a entrega da planilha de pontos perdidos por categoria, ou em até 30 (trinta) dias, no caso de divulgação dos resultados em data diferente ao da Prova.
24.2. Protestos ou recursos referentes à Planilha (mapa da prova), problemas no roteiro como porteira fechada, indicações de caminho duvidosas, indicações de caminho erradas, caminhos obstruídos, atitudes anti-desportiva de algum competidor deverão ser entregues até 1h (uma hora) após a chegada teórica do competidor e impreterivelmente antes da entrega das planilhas de pontos perdidos por categoria
24.3. Durante os prazos acima, o diretor da prova e/ou comissários desportivos deverão estar presentes no local do evento, à disposição dos concorrentes, para recebimento de protestos/reclamações.
24.4. Se a Organização não puder dar solução ao protesto, em até 30 (trinta) minutos após o prazo máximo para recebimento dos mesmos, deverá ser marcada nova data e local para entrega de resultados e troféus da categoria.
24.5. Se o protesto for procedente, o valor depositado será devolvido ao protestante, caso contrário, reverterá para a organização da prova.
24.6. O competidor poderá usar os dados gravados por um GPS como argumento de um protesto ou recurso contra a falta de registro de tempo do competidor no PC ou contra a anotação de penalização de sentido contrário.
24.7. O uso de GPS é opcional.
24.8. O GPS deve ser configurado para gravar dados em intervalos de no maximo3 em 3 segundo
24.9. O dados do GPS devem ser entregues à organização.
DISPOSIÇÕES GERAIS
25. Os participantes correm por conta e risco próprios, não se responsabilizando, os Organizadores, os Promotores, os Patrocinadores, o Clube Organizador, autoridades desportivas e pessoal em serviço na Prova, por qualquer acidente que lhes venha a ocorrer.
25.1. Os casos dúbios, não previstos, as dúvidas, incorreções e divergências na interpretação do presente Regulamento serão decididos pelo organizador de prova, junto com júri de prova.
COMPETÊNCIAS
26-Toda e qualquer decisão a ser tomada, com relação a recurso, cancelamento, desclassificação, e outras que interfiram diretamente na classificação ou colocação do enduro, fica obrigatória a decisão conjunta do diretor de prova com o júri de prova, colocando em votação a favor ou não do questionamento, ficando impossibilitado em hipótese nenhuma de alguma membro ou diretor de prova tomar uma decisão sozinho.
26.1-O regulamento acima é soberano e não podendo ser modificado nem alterado ou ignorado qualquer item do mesmo durante a etapa realizada.
26.2 – Após o termino de cada etapa uma comissão de Regulamento formada pelas pessoas abaixo, poderão alterar o regulamento acima, adequando para melhor entendimento, mas não poderão mudar os resultados.
Comissão de Regulamento
1-Daniel Rocha
2-Peter Ferreira
3-Bruno Martins
4-Giovanni Brigido
5-Ricardo Troccoli

TTC- TERESINA TRAIL CLUBE


Você não tem permissões suficientes para ver os arquivos anexados nesta mensagem.


Voltar ao topo
 Perfil E-mail  
 
Mostrar mensagens anteriores:  Organizar por  
Criar novo tópico Responder Tópico  [ 1 Mensagem ] 


Quem está online

Usuários vendo este fórum: Nenhum usuário registrado online e 0 visitantes


Você não pode criar novos tópicos neste fórum
Você não pode responder tópicos neste fórum
Você não pode editar suas mensagens neste fórum
Você não pode excluir suas mensagens neste fórum
Você não pode enviar anexos neste fórum

Ir para:  
cron

Forum Gratis · php-BB© · Internationalization Project · Reportar abuso · Termos De Uso/Política De Privacidade
© Forums-Free.com 2009